quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Asas


Negras como a noite
Macias como algodão
Frias como o gelo
Afiadas como lâminas
São tuas asas
Um voo perfeito no céu
Brincas à frente da lua 
Que fica a te observar
Só podes voar à noite
E as estrelas agradecem
Admiradas com a tua beleza
Entras pela minha janela
Pousas em meu quarto
Me envolves em teus braços
Onde permaneço aninhada
Até o amanhecer