domingo, 15 de setembro de 2013

Escuridão 08/07/2013

Imóvel e isolada
Como uma lápide
De alguém que jaz 
Esquecido por todos
No cemitério de um velho castelo
No alto de uma montanha 
À beira de um precipício
Em um dos lugares mais frios
Onde jamais ninguém se atrevera a entrar
Lugar 
Onde só se ouve ao longe
Bem ao longe
O uivar do lobos para a lua 
Cheia e amarelada
Coberta pelas nuvens espessas que chegam ao chão
Fazendo tudo desaparecer em uma enorme neblina
Tornando tudo mais escuro e assustador
Uma garota
A esperar todas as noites por uma luz 
Que ilumine a escuridão
Que dê um sopro de vida 
Ao seu coração despedaçado
Que grita de dor a cada batida 
Mas a luz nunca chega
Nunca chegará
Ela nunca se acenderá 
E a garota morrerá 
Ali
Fria
Devorada pela solidão