segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Marcas

As marcas no rosto 
Cobertas com maquiagem
Não são sinal de fraqueza
As marcas nos pulsos
Não foram feitas para chamar atenção
Pelo contrário
Ficam a maior parte do tempo 
Escondidas em baixo de braceletes pretos
Esse preto nos olhos
Para esconder as marcas de noites mal dormidas
Esse sorriso no rosto 
Para esconder as marcas da tristeza
Esse som no último volume
Não é para mostrar rebeldia
É para apagar um pouco 
As marcas da vida real
Suicídio, auto-mutilação
Vontade de aparecer
Loucura, infantilidade
Burrice
Chamem do que quiser
Chame-os do que quiser
Eu os chamo de anjos
Guerreiros que pensaram em desistir
Mas que continuam lutando
Chamo de marcas de guerra
Chamo de marcas da vida.