terça-feira, 19 de novembro de 2013

Invisible? Oh yes!

Estive longe esses dias, longe do mundo, mesmo tendo que ir à escola todos os dias, mesmo tendo que ir para os ensaios da orquestra, ou para a aula de violão, o corpo estava nesses locais, sim, mas a mente, estava longe, aliás, sempre esteve longe nos últimos meses.
Cansei, sabe? Cansei de sair do meu mundo, de falar, de gritar, e não ser ouvida, de amar, de sentir carinho por pessoas, que claramente não se importam comigo, já estou cansada disso há algum tempo. Talvez eu esteja batendo novamente na mesma tecla, acho que já postei coisas parecidas outras vezes, mas essa bolha de invisibilidade em que estou presa, em que talvez os outros estejam me prendendo, que não me deixam sair, e que tanto me faz mal, agora, começa a não me incomodar tanto, é verdade. Mas, solidão, não é fácil, se aceitar invísivel, é ruim no início, e não, essas coisas não se tornam ótimas com o passar do tempo, mas, melhoram bastante, você vai se acostumando a ser só, se acostumando a ser invísivel, e no meu caso, agora prefiro ficar trancada no meu quarto como sempre ficava, com meus livros,  meus cadernos, minhas canetas e meus fones de ouvido, é tão bom.
Tudo o que desejo é ficar isolada 24 horas por dia, se pudesse, jamais sairia dali, é minha fortaleza, lá me sinto como se estivesse protegida de certa forma, lá eu posso tentar organizar meus pensamentos, não consigo, mas tento, e isso apesar de ser perturbador, às vezes chega a ser divertido. Só é uma pena que meus pais não me entendem, eles não entendem que ao mesmo tempo que me sinto só, e que fico triste, eu gosto dessa solidão, e me sinto feliz vivendo nessa tristeza.
Não é uma solidão total, tenho amigos é óbvio, poucos, mas tenho, e agora tenho uma irmã, não é biológica, mora muito distante, mas, que me entende mais do que ninguém. Rsrs
Solidão nos deixa um pouco paranóicos, pode causar mudanças de humor repentinas, mas, antes ser só, do que se forçar a acreditar que todos se importam com você, que você é inserida e aceitada em uma sociedado hipócrita e egoísta, repugnante como essa.
E, como diria essa minha mais nova irmã: "A vantagem de ser invisível é que você pode escolher para quem quer se mostrar."