domingo, 16 de março de 2014

Hipnose

Dormirei contigo
Em noite de luar
Luar de prata reluzente
Luar cheio envolvente

Ficaremos na varanda

Te beijarei docemente
Enquanto ele nos ilumina
Te abraçarei fortemente

Ficaremos observando o céu

Noite de imensidão sombria
Enquanto mortais transitam lá embaixo
Em sua inútil correria

Andam cada vez mais depressa

Mas, para que pressa afinal?
Se todos caminham para a morte
O destino frio e fatal

Eu te olho e sorrio

Enquanto o desejo por dentro me devora
E no calor daquele momento
Nem vejo o passar das horas

Tu se deixas levar

Entregando-se inteiro a mim
Como um servo ou escravo
Hipnose ou algo assim...