terça-feira, 3 de junho de 2014

Aniversário

Oi querida Mar, estou escrevendo para lembra-lhe que hoje é o meu aniversário, estou ficando mais velha, um ano mais perto da morte, sobrevivente mais uma vez nesse planeta fútil, aliás, hoje é o nosso aniversário, mais um ano juntas. Pôxa, são 18 anos, quase duas décadas! Ah minha doce Marina, há quase duas décadas que estou com você, compartilhando do mesmo espiríto, do mesmo corpo, eu te amo, te amo muito, sabia que toda vez que te escrevo, me excito ao imaginar você lendo cada palavra? Pois é, só acho uma pena que você não me deixe dominá-la, não me deixe sair, não mostre o seu lado obscuro e monstruoso para ninguém.
Ah, doce e invisível Mar, as pessoas só se lembram que é teu aniversário por causa das redes sociais, kkkkkkkkk, vc é tão invisível que ninguém nem se lembra. Aliás, não há muita graça em completar mais um ano de vida, por que na verdade só é menos um ano de vida. Você acha que se importam, tenta achar aliás, tenta achar que todos lembram de você, mas, você sabe que nunca será verdade, ninguém se lembra de ti, ninguém consegue amar você, toda e qualquer garota com um pouco mais de beleza ou um pouco menos de cérebro é mais interessante e atraente do que você. Você lembra do ano passado? Foi desprezada por um e trocada por outro. E esse ano? Ah, outra vez foi trocada e desprezada, pelas mesmas pessoas e por mais uma. Ah, Mar, o ano número 17 de sua vida foi tão cruel e mesquinho com seu pobre coração idiota. Espero que me ouça mais vezes, e não perca o ano número 18 dessa sua vidinha.

Bom, graças a sua insistência, não estou brincando com ninguém ultimamente, mas, hoje é nosso aniversário, quero dar-lhe um belo presente, sei que ficou curiosa, afinal, ninguém além dos seus pais lhe presenteia nesta data, mas, vou deixá-la esperando.
Volto a escrever-lhe em breve!


Um beijo apaixonado...


Sua Eu!