terça-feira, 26 de agosto de 2014

Valentina

Valentina era um anjo, mas, não qualquer anjo, Valentina era um cupido que fora enviada para a Terra, com uma missão: espalhar o amor. Ela sempre estava à postos para unir casais, fizera isso sua vida inteira e continuaria fazendo se não houvesse um porém, Valentina, cada vez mais parecida com os humanos, começara a sentir-se apaixonada há algum tempo.
No começo ela jurou que não estava apaixonada, que era incapaz de apaixonar-se, mas, estava enganada, muito enganada.
Até aí tudo bem, amar e se apaixonar é normal para todos, mas, Valentina não era igual a todos, ela não podia sentir, nada, por ninguém, muito menos por humanos, caso contrário, as consequências  seriam crueis para ela, e para eles. Mas, sua estadia entre eles a tornara cada vez mais vulnerável ao amor.
As consequências vieram.
Todas as vezes que ela se apaixonava por alguém, era obrigada a unir essa pessoa com outro alguém, esse era o seu castigo.
Todas as vezes, durante muito tempo, até que ela se cansou e revoltou-se, questionou seu superior, e disse-lhe que não queria mais ser obrigada a fazer isso. Essa revolta, sua ousadia em questioná-lo, e sua considarada desobediência, fez com que ela fosse expulsa do céu, e da ordem dos anjos, tivera suas asas arrancadas. Agora anjo caído, ela tentou recomeçar, sem o fardo de ter que unir pessoas, mas, o que não sabia era que também fora condenada a não ser amada. E todas as vezes que se apaixonada, Valentina não era correspondida. Era obrigada a presenciar seus amores apaixonando-se por outras, entregando-se a outras, e ficarem felizes com elas, para sempre. Era como se ela fosse simplesmente invisível.
Revolta, dor e sede de vingança tomava conta de Valentina, ano após ano, dia após dia, ela alimentava esses sentimentos. E não demorou muito para que ela começasse a sua doce vingança.
Ódio e discórdia entre casais, brigas, traições, casamentos por interesses, violência, separações, amor possessivo e doentio que leva  alguém a matar a pessoa amada.
Tudo isso é obra de Valentina, o anjo que amava, mas fora expulso e condenado a não ser amado. O anjo que espalhava o amor, agora agia em prol da morte dele. Valentina passou a ser o cupido do ódio.

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Não sei mudar

Querido blog, cheguei a conclusão de que não consigo mudar, sim, eu cresci, mas, isso não me impede de continuar com os mesmos medos da infância.
Todos os meus colegas mudaram, todos à minha volta, menos eu. Isso é frustrante. Eu gostaria de mudar, de pensar como adulta, agir como uma. Ser uma adulta. Gostaria de ter um relacionamento. Ter uma vida diferente. Ter mais amigos, ser mais conhecida etc.
Essa vida anônima é boa, mas, me irrita.