quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Olhos de Mar

Olhos hipnotizantes
Azuis da cor do mar
Uma imensidão de mar
Perigoso mergulhar

Olhos de mar
Mais profundo que existe
Com toda beleza do mundo
E também o mar mais triste

Um olhar de mar azul
Um azul maravilhoso
Enganava marinheiros
Era um mar bem perigoso

Mar de navios naufragados
Mar com o cheiro da morte
Só se escapa desse mar
Aquele que tem muita sorte

Bonitos e traiçoeiros
Esses olhos cor de mar
Não espere deles piedade
Pois piedade não há

É como encanto de sereias
Que cantam sob o luar
Os olhos de mar hipnotizam
Para depois devorar












Um sonho barbudo


Sorriso de menino
Olhar negro e sorridente
E essa sua barba
Lhe completa perfeitamente

Seu corpo definido
Sua pele bronzeada
Mas essa sua barba
Me deixa mesmo desconcertada

Sonhei que estava lhe beijando
Teus lábios macios nos meus
E tua barba roçando em meu pescoço
Quase que me enlouqueceu

És criação da minha mente
Só és real para mim
Como pode um barbudo irreal
Ser tão verdadeiro assim?

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Do It - Lenine

"Tá cansada, senta
Se acredita, tenta
Se tá frio, esquenta
Se tá fora, entra
Se pediu, aguenta
Se pediu, aguenta

Se sujou, cai fora
Se dá pé, namora
Tá doendo, chora
Tá caindo, escora
Não tá bom, melhora
Não tá bom, melhora

Se aperta, grite
Se tá chato, agite
Se não tem, credite
Se foi falta, apite
Se não é, imite

Se é do mato, amanse
Trabalhou, descanse
Se tem festa, dance
Se tá longe, alcance
Use sua chance
Use sua chance...

Se tá puto, quebre
Tá feliz, requebre
Se venceu, celebre
Se tá velho, alquebre
Corra atrás da lebre
Corra atrás da lebre

Se perdeu, procure
Se é seu, segure
Se tá mal, se cure
Se é verdade, jure
Quer saber, apure
Quer saber, apure

Se sobrou, congele
Se não vai, cancele
Se é inocente, apele
Escravo, se rebele
Nunca se atropele

Se escreveu, remeta
Engrossou, se meta
E quer dever, prometa
Pra moldar, derreta
Não se submeta
Não se submeta..."


Marina - Gustavo de Carvalho

Marina

Marina está na mira na rima que eu faço,
Ela é Marina, praia de meus desejos,
Ela é má, ri na  praia de meus desejos,
Que se molham com as ondas de seus beijos,
Sonhados por mim na noite passada.

Ela é Marina, minha noite estrelada,
Ela é má, ri na minha noite estrelada,
Acaba com meu grande conto de fada,
Com essa rima que de tão pobre é favelada.

Quero conhecer teu sorriso azul
Da cor do céu de meus sentimentos,
Trancados a sete chaves por anos
E que talvez você possa abrir.

Marina lá no meu coração,
Mar inala no meu coração,
O ar que faz respirar,
Entre o querer e a vontade,
De ser feliz em teus lábios.

Quero engolir as palavras de teus lábios,
Que irão me ensinar com provérbios sábios,
Aquilo que eu jamais aprendi antes,
O significado do amor absoluto e invencível.

Ó Marina, bani ramo  (palíndromo)
De flores que estava no meu jardim,
Deitei-o fora, não o necessito mais,
Pra que um jardim se tenho teu sorriso???


quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Querência

Quero-te
Como a noite quer a lua
Como a lua quer o sol
Como o lobo que a lua
Como o caçador quer o lobo
Como a mulher quer o caçador
Como o rapaz quer a mulher
Como a moça quer o rapaz
Como o cavalheiro quer a moça
Como a donzela quer o cavalheiro
Como o cavalheiro quer a moça
Como a moça quer o rapaz
Como o rapaz quer a mulher
Como a mulher quer o caçador
Como o caçador quer o lobo
Como o lobo que a lua
Como a lua quer o sol
Como a noite quer a lua
Quero-te