terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Sobre mim

Eu não gosto de me sentir só, mas, odeio grude e mimimi.
Eu adoro elogios e gentilezas, gosto que lembrem de mim, mas, nunca sei como reagir quando as pessoas são meigas e gentis comigo. Quando me elogiam, dá vontade de sair correndo de tão nervosa que eu fico, mas, ao mesmo tempo isso me faz tão bem.
Quando eu estiver mal, não diga ou faça coisas para me deixar bem, apenas me deixe só. Quando estou me sentindo só, aí é que eu devo ficar só. No fundo eu quero um abraço de alguém, uma flor, um vinho, um chocolate... Ações inesperadas e espontâneas, nunca vou pedir nada, odeio pedir. Ah! Eu amo abraços, ainda que não pareça.
Se eu estiver mal, não me diga para sair de casa e me divertir, eu prefiro ficar em casa assistindo minhas séries. Tem coisas que eu sinto/quero que você tem que adivinhar, pq eu não vou dizer.
Se eu disser que não vou com a cara de alguém, é pq o santo não bateu, essa pessoa pode ser a Irmã Dulce que não vou mudar de ideia.
Se eu me apaixonar por alguém ou por algo, eu não vou esquecer nem se o Jensen Ackles ou o Jared Padalecki me pedirem, é sério.
Eu mudo de humor, de atitude, de decisão constantemente. Posso me arrepender de agir e de não agir. Quanto mais eu penso sobre algo mais confusa eu fico. Eu sou orgulhosa mas, engulo o orgulho e viro trouxa se eu gostar mesmo.
Fico mal em deixar alguém triste, ou em magoar alguém, por isso às vezes faço coisas contra minha vontade. Eu posso inventar mil desculpas para não dizer um "NÃO", mas, posso simplesmente dizer e pronto.
Prefiro sempre dizer a verdade e saber a verdade, mesmo que isso me machuque ou machuque alguém.
Se eu gostar de uma coisa eu vou querer que o mundo conheça e goste também, mas, se todo mundo começa a gostar, eu vou ficar p* da vida.
Eu sou um paradoxo ambulante, uma contradição sem fim. Nunca sei bem o que eu quero, o que eu sinto... Nem eu me entendo. Eu sou louca, e sou paranóica. Posso ser meiga, fria, boazinha e gentil, má e invejosa. Eu posso ser bruxa e fada e nunca sei quando isso acontece.
Eu sou uma bagunça

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

O padecer de Ana

Ana era uma jovem de 20 anos, que havia acabado de passar no vestibular, de novo, era a terceira vez que ela havia entrado para uma universidade. Na primeira vez, ela gostou, mas achou melhor trocar por uma universidade mais conceituada, e foi a segunda vez, onde se arrependeu, se sentiu só, não se encaixou, quis morrer, tomou coragem, abandonou no quarto semestre. Agora era diferente, tinha que ser diferente, ou ninguém mais daria crédito a Ana, ninguém mais a apoiaria. Era sempre assim, ela nunca sabia o que queria da vida, a única certeza que ela tinha, era a de que queria ser feliz, amar e ser amada, dar orgulho para todos, ser o exemplo, mas, parte de Ana não estava nem aí para essa certeza, parte de Ana estava pouco se fudendo para o mundo e para tudo. Ana era um poço de confusão e loucura, uma única pessoa dividida em duas, que guerreavam entre elas, e essa guerra destruía Ana, pouco a pouco. Pobre Ana, morrendo sem ninguém perceber, incompreendida até por si própria, rejeitando pessoas, sendo rejeitada por elas. Era um inferno, um inferno dentro de si mesma, não dava para fugir, gritar não resolveria, morrer pioraria as coisas. Para Ana só restava ter esperança, e padecer pouco a pouco, enquanto o tempo passava.

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Pro-fundo

Eu me perdi novamente
Não sei como aconteceu
Na verdade até sei
Só não sei mais quem sou eu
Eu me perdi e morri
Não consigo ressuscitar
A tristeza está aqui
Não me deixar levantar
Já não sei mais nada
Não conheço nenhum lugar
Quase não consigo escrever
E nem sequer mais desenhar
É um vazio tão grande
Tanta dor dentro de mim
Medo e angústia me consomem
O tormento não tem fim
E se eu fosse outra pessoa?
Se eu fosse igual a ela
Se eu fosse, me amaria?
Se fosse tal qual essa bela?
Pensamentos me corroem
Não quisestes ser meu bem
Me deixastes a sangrar
Para salvar outro alguém
Estás feliz amado meu
Nos braços dela, eu sei
E eu a me torturar
Onde foi que eu errei?
Pra mim, só resta o fim do poço
Não consigo amar ninguém
Então vou me despedaçar
Pois tu amas outro alguém.